domingo, 30 de maio de 2010

Os Iriarte, os Molina e os Sandoval!

Quem visita esse blog está cansado de saber que é o blog do clã Aguilar... Ali do lado tem até um textinho falando o que é ser Aguilar! Mas e os outros clãs?
No ayllu Mística Andina existe o clã do Ar, são os Iriarte. Os clãs do Fogo são os Obelar e os Molina. Na Água são os Cruz, os Dédalos e os Aguilar e porfim da Terra são os Mendizabal e os Sandoval! Cada pessoa, ao ingressar no ayllu, recebe um nome e consequentemente, ingressa naquele clã que mais tem a ver com a sua essência, o seu jeito. Cada elemento possui suas virtudes e seus dons a ofertar... assim como também há desequilíbrios a acertar...

Como forma de se fazer conhecer melhor, alguns clãs resolveram criar blogs como esse para troca de idéias, dicas e todo tipo de assunto! Dêem só uma olhada!

Clã do Leste Iriarte! http://cladolesteiriarte.blogspot.com
Ainda em fase de gestação o blog do clã mais criativo e cheio de idéias promete!

Clã Molina Responde! http://molinaresponde.blogspot.com
Com posts temáticos, os integrantes do clã Molina se revezam para tratar de assuntos os mais variados. Desde permacultura e meio ambiente até culinária e sábios conselhos de avó! Vale a pena dar uma conferida.

Com muita leveza e poesia, o clã do deleite nos oferece um banquete de beleza e amor em cada texto... Não poderia ser mais Sandoval! O blog também conta com textos de nosso mestre Lucidor Flores, dos quais o meu preferido é este (clique aqui).

Cristiano Aguilar

sexta-feira, 28 de maio de 2010

O Ayllu Mística Andina


Há muito tempo, um grande guerreiro teve a visão de um mundo refeito, integrado em amor e fraternidade.
Ele via a nossa América Latina imersa numa profunda harmonia entre os homens e Pachamama. Uma terra povoada por seres de amor, em comunhão, fraternos. Uma grande família!
A essa família foi dado o nome de ayllu.
Uma família onde se dá e recebe carinho, onde nos conhecemos e aos demais... Uma só nação onde não há fronteiras! O Ayllu Mística Andina é a realização desse grande sonho de luz e amor fraterno. Sonho de união e devoção à vida. Fazer parte dessa família é poder viver o sonho em vida, experimentar o maravilhoso mistério de ser inteiro e estar consciente disso. Enxergar no outro nosso mestre, nossa luz, nossa sombra. Aprender, viver, amar...
Estar ao lado de companheiros do caminho, amigos da senda, irmãos de vidas... Poder sentir na pele que se arrepia um profundo reconhecimento de algo que recuperamos em nós e à nossa volta, algo precioso e misterioso. Um amor profundo e verdadeiro. Uma grande alegria por estar ali, sendo Um, sendo Nós. A todos os uaikis e a nosso mestre, ofereçamos a nossa profunda gratidão, por serem quem são e por testemunharem sorridentes o nosso despertar.
Abraço de irmão,

Cristiano Aguilar

sábado, 22 de maio de 2010

Uma Vida Fodona...

É isso que todos nós desejamos...
Não necessariamente todos, não necessariamente nessas palavras. 
Uma vida fodona é uma vida que valha a pena, onde se é exatamente o que se sonha ser. Uma vida pra valer, com consistência, com consciência! Viver plenamente, de cum força, como se fosse a única vida que tivéssemos (porque é mesmo!) APROVEITAR! É a palavra de ordem: fazer proveito do nosso tempo e da nossa vida para realizar e estar naquilo em que acreditamos. 
Sê inteiro.
É nesse espírito que o brasiliense Alexandre Matias criou seu blog Vida Fodona, um espaço bacana onde ele posta sequências de músicas dos mais variados estilos. São playlists para todos os gostos... algumas temáticas, outras mais misturadas... algumas mais tranquilas, outras mais dançantes... Mas todas muito boas! Vale a pena conferir o Vida Fodona, trilha sonora para a sua vida... fodona! Você pode ouvir a rádio online, bastando pra isso pressionar "play", ou baixar os programas para o seu computador em forma de mp3. Geralmente um Vida Fodona têm duração de uma hora. Vale mesmo a pena conferir! Para ouvir o Vida Fodona, clique aqui.

Cristiano Aguilar (curtindo o sábado ao som de Vida Fodona...)

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Infância


     É sem dúvida a nossa época mais cheia de surpresas, descobertas e alegrias.
     Na infância, exploramos o mundo e experimentamos tudo pela primeira vez... Com os olhos de uma criança vemos o mundo com deslumbre e tudo nos parece misterioso e grandioso. Em outras palavras, vemos as coisas como realmente são: maravilhosas.
     Buscar a sabedoria e a sensibilidade é um desafio para um adulto, mas não para uma criança. A nossa educação, a sociedade e o contato com os adultos vão nos ensinando a moral, o certo e o errado e também a vergonha, a culpa e o medo. Essas três sensações se enraizam na nossa personalidade em formação e quase sempre fazemos nossas escolhas influenciados por elas. Deixamos de fazer algo que queremos por vergonha, permanecemos onde estamos - ainda que a contragosto - por causa do medo e se deslizamos, nos enchemos de culpa. E que martírio! Por causa de nosso juiz interno, julgamos e punimos repetidamente, infinitas vezes a nós mesmos pelos mesmos erros, e sentimos pena de si mesmos, vivemos nossa vítima interna diariamente.
     Mas se despertamos e encontramos um caminho que diz que podemos amar em liberdade, temos a chance de fazer tudo diferente e de reinventar-nos! Nos vemos livres para amar, para sermos o que somos realmente e dali nasce a alegria de estar vivo e a gratidão pela vida!
     Não esqueçamos que não estamos desamparados. Quando a auto-piedade nos visitar, lembremos que nada mais somos que crianças crescidas, inofensivas e prontas para o amor puro... Não esqueçamos que sempre somos assistidos, e que não devemos temer e que não há nada pelo qual se envergonhar ou se culpar, pois ninguém além de nós mesmos tem o poder de nos condenar ou castigar.
     Nunca esqueçam que no grande universo de Deus, mestres atemporais nos observam contentes, como pais que assistem crianças a brincar num lindo jardim que por mistério ou poesia, chamam de Pachamama!


Cristiano Aguilar

quinta-feira, 13 de maio de 2010

El Cóndor Pasa

Conhecida urbanamente através dos músicos que vendem CDs em supermercados e estações de metrô, a música andina remonta a épocas imemoriáveis, quando homem e natureza eram uno, não havendo distinção entre a cultura humana e a Pachamama...
"El Condor Pasa" é talvez a música andina mais conhecida mundialmente, principalmente depois que o grupo Simon & Garfunkel fizeram uma versão nos anos 60. Apesar de não se saber a origem exata da canção - hoje reconhecida como Patrimônio do Peru - seu primeiro registro oficial data de 1933, quando foi organizada pelo peruano Daniel Robles e recebeu letra de Julio de La Paz.
Tamanha a sua significância que ela foi incluída no Disco de Ouro da sonda Voyager, na esperança de que daqui a 74 mil anos, quando ela se aproximará da estrela mais próxima do nosso sol, uma civilização avançada tenha a capacidade de decodificar o disco e ouvir inúmeras canções, sons da Terra e mensagens de boas-vindas dos povos do nosso planeta...
A sonda Voyager deixou nosso sistema solar há alguns anos. Agora está viajando na imensidão do vazio do universo, em algum lugar entre nós e as estrelas, carregando esse tesouro em forma de canção...
(dados: wikipedia)

No vídeo abaixo, o grupo CantAndino executando El Cóndor Pasa.


Cristiano Aguilar

terça-feira, 4 de maio de 2010

Música para a alma...

Aqui vai um presente para vocês, hermanitos.
Uma canção cheia de vida, um grito revolucionário.
São canções assim que me fazem sentir que a música realmente é a voz de Deus...
Theodorakis y Los Calchakis, em Tupamaros.

Os beijo no amor de Cristo,

Cristiano Aguilar

domingo, 2 de maio de 2010

Tudo o que a gente conversou...

Existem amigos que nos marcam por serem diferentes dos outros. Aquele amigo que nos ensina e nos revelam segredos ocultos que reconhecemos. Um amigo mestre, que aflora o mestre em nós e que dançam conosco no agora, os dois envoltos de luz... Hoje nos encontramos e tivemos uma conversa.

(...)
É importante viver com o coração.
No movimento da vida, comumente tateamos nossas experiências com a mente e nos confundimos. Se damos atenção aos pensamentos e nos identificamos com eles, podemos pensar que eles somos nós. Nós não somos os nossos pensamentos. Os nossos pensamentos são imagens que nos sobrevoam. Passado, futuros, desejos. Imagens que nos trazem emoções, vozes de todo mundo e de ninguém. Padrões que não são nossos, mas que criamos juntos, através das nossa conexões humanas.
É importante pensar com o coração.
Somente com o coração puro, pueril, leve feito poeira das estrelas, com olhos que se perdem na imensidão do universo... se é livre. Livre para ser e sentir o agora. O presente de ter alento, de pulsar, de se manifestar na realidade. E só o amor é real. E o amor nunca tem pressa, pois é agora, nunca possui, pois não se deixa poluir por sentimentos que não sejam o próprio amor, nunca espera, pois não depende, e acima de tudo se permite, pois não teme. O amor não sentencia, pois não determina, se deixa ser independente do que aparenta. Só é possível amar.

E nós sabemos que existimos. E experimentamos isso dentro de milhões de outras vidas e existências. E o outro é o espelho d'água que nos reflete e nos mostra algo mais. O que somos e o que não somos. A consciência do agora acontece ali. No contato. Na possibilidade de amar, na oportunidade dada e criada de viver. O momento de amar. E esse movimento nos antecede. Para além da nossa vontade, os atos involuntários nos movem: o coração bate, o pulmão respira, a mente faz suas conexões e tudo isto antecede nossa subjetividade, nosso ser. Participamos da vida, existimos dentro da fonte. Que força é essa que vem antes de nós? São as mesmas que fazem as ondas do mar? que fazem o vento ventar?

O amor nos antecede e nele existimos.
O coração é o motor e o amor é a força que nos move.

Cristiano Aguilar e Patrícia Martins