domingo, 18 de abril de 2010

Peixuxa (O Amiguinho dos Peixes)

No fundo do mar do Atlântico existe um homem bonachão, que vive de terno fumando charuto. O nome dele é Peixuxa, o amigo dos peixes. É educado, cuida do fundo do mar e em noite de lua cheia, sai para jantar com ela... Mas Peixuxa anda preocupado com uma gente estranha que anda por debaixo dos mares, que não é peixe mas não morre afogado...

Essa é a história contada por Raul Seixas nessa música muito feliz, chamada Peixuxa, o amigo dos peixes. É uma poesia linda, que nos inspira a cuidar dos mares e das águas do planeta, que sofrem com a exploração, o desperdício e o mau uso que a ganância da nossa sociedade as impõem. Convido vocês a ouvirem essa canção feliz e a se deixarem contagiar pela alegria de Peixuxa em ser amigo das águas de todos nós!

Entra pelas portas do fundo
Do Oceano Atlântico um cara
De baleia, terno e gravata
Seu nome é Peixuxa,
É amigo dos peixes
É gente e respira debaixo do mar
Mar, mar, mar
Ma, ma, ma, ma, mas sempre com um charuto na boca
Vai andando debaixo d'água
Vai até o mediterrâneo
Pois tem um encontro com hora marcada
Com a lua cheia para um lindo jantar
Tem gente estranha por debaixo do mundo
Tal qual Peixuxa, baixo, gordo, salgado
Tem gente estranha trabalhando nos fundo
Que não é peixe mas não morre afogado
Do, do, do, do, do, do
Ele é cordial com os peixes
Dá bom-dia quando é de dia
Boa-noite quando é de noite
E se não é de dia e se não é noite
Peixuxa, amavelmente, dá "maresia"
Seu Peixuxa antigamente
Foi chamado de Deus dos mares
"Inda" guarda em casa um tridente
E quando eu olho
O mar com petróleo
Eu rezo a Peixuxa que ele fisgue essa gente

Raul Seixas

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Inti Raymi 2010!


A eletrizante energia ancestral
Consciência pulsante a despertar
O grande reencontro da nossa raça consigo mesma.

Informações: intiraymifortaleza@yahoo.com.br


terça-feira, 13 de abril de 2010

Encontro em Florianópolis!

Salve, hermanos!
Como nossa comadre colocou na lista de e-mails do clã, aqui estão algumas fotos dos Aguilar que apareceram por Floripa durante o encontro de encerramento da Prática dos 21 Dias! Que coisa linda são vocês... Puro amor brilhante nos olhos!

Cristiano Aguilar

Dana Aguilar, de Florianópolis-SC e Comadre Rosário!

Ronise, de São Lourenço- RS.

Mercedes, de Santa Maria-RS.
da esquerda para a direita: Zulma, Amanda Luz, Diana Ma, Amélia, Rosário, Dom Froiland, Valentim e Artemisa, na frente Quimey e Lucas!

Om Mani Padme Hum

Hoje acordei cedo, e devagar fui deixando a vida se fazer presente... o prana entrando pelas narinas com suavidade, chegando a todas as células, sentindo a vibração do coração, pulsando dentro do peito, ouvir o sons dos pássaros a nos dar bom dia! O corpo reagindo, se espreguiçando e um sorriso brotando dos lábios de tanta gratidão pelo momento, por aquele espaço... e aí comecei a entoar o mantra Om mani padme hum... e ele tem me acompanhado durante o dia, fazendo de cada momento um momento especial. Gracias Pachmama pela oportunidade de estar aqui, agora, respirando...
Rosário Aguilar

Om mani padme hum

Om fecha a porta para o sofrimento de renascer no reino dos deuses. O sofrimento do reino dos deuses surge da previsão da própria queda do reino dos deuses (isto é, de morrerem e renascerem em reinos inferiores). Este sofrimento vem do orgulho.
Ma fecha a porta para o sofrimento de renascer no reino dos deuses guerreiros (sânsc. asuras). O sofrimento dos asuras é a briga constante. Este sofrimento vem da inveja.
Ni fecha a porta para o sofrimento de renascer no reino humano. O sofrimento dos humanos é o nascimento, a doença, a velhice e a morte. Este sofrimento vem do desejo.
Pad fecha a porta para o sofrimento de renascer no reino animal. O sofrimento dos animais é o da estupidez, da rapina de um sobre o outro, de ser morto pelos homens para obterem carne, peles, etc; e de ser morto pelas feras por dever. Este sofrimento vem da ignorância.
Me fecha a porta para o sofrimento de renascer no reino dos fantasmas famintos (sânsc. pretas). O sofrimento dos fantasmas famintos é o da fome e o da sede. Este sofrimento vem da ganância.
Hum fecha a porta para o sofrimento de renascer no reino do inferno. O sofrimento dos infernos é o calor e o frio. Este sofrimento vem da raiva ou do ódio.

(Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.)

http://www.youtube.com/watch?v=nd1QXP1f_ZQ

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Perdão!

Ao longo de nossa trajetória, vamos acumulando vivências, alegrias e tristezas, ganhos e perdas, sabores e dissabores, e todos estes sentimentos vamos armazenando dentro de nós, mas precisamos nos desapegar de nossas dores, precisamos perdoar a nós mesmos, pois estamos trilhando um caminho de luz, acertamos e erramos, mas o fazemos do nosso melhor jeito, na busca do melhor... daí a importância do perdão em nossas vidas. É muito mais fácil julgarmos e criticarmos, mas também falhamos, e mais do que aprender a perdoar os outros, temos que aprender a perdoar a nós mesmos... liberar os nossos corações das cargas que vamos acumulando por anos e anos. Nos perdoando vamos ficando mais leves e abrimos espaço para o AMOR em nossas vidas!
Com amor,
Rosário Aguilar


quinta-feira, 8 de abril de 2010

Um ponto dentro de você.



Quando você toma uma iniciativa, seja ela qual for. O seu mundo parece que se transforma. Você se sente confiante para fazer o que antes não tinha coragem. Novas possibilidades se abrem e, de repente, aquele lugar que você sempre quis ir já não fica mais tão longe.
Então a vida fica mais clara. Ganha mais sentido. E descobrir é uma palavra constante no seu dia-a-dia. Você descobre que o seu poder de decisão é muito mais poderoso do que imaginava. E que a palavra cuidado faz muito mais sentido quando você a transpõe para outras pessoas. Descobre que cuidar de si é a melhor forma de continuar cuidando das pessoas que você ama. Descobre também que se dar valor é, antes de tudo, dar valor à vida. E quando você se conhece, e acredita no seu potencial, os sonhos que antes pareciam inalcançáveis, podem se tornar surpreendentemente reais. De repente você olha pra trás e nem acredita que conseguiu realizar tanta coisa.
Então descobre o melhor de tudo. Realizar seus sonhos não começa por coisas complicadas, não começa pelos outros.
Começa por um ponto.
Um ponto dentro de você.
.*mensagem retirada do site Personare.

terça-feira, 6 de abril de 2010

Chanda Mama - Uma canção para a lua!

"Essa
Canção Ao Redor Do Mundo é uma música folclórica de Chennai, Índia. Começamos o projeto em Nova Orleans e juntamos outros músicos espalhados pelo planeta antes de finalmente entregá-lo ao povo de sua origem. Terminamos em Chennai gravando e filmando os vocais do Oneness Choir (Coro da Unicidade). A faixa tem um sentimento de perseverança e alegria e mostra vocalistas de quatro continentes."

Projeto Playing For a Change


A canção, em língua Telugu, diz mais ou menos assim:

Lua, por favor, venha

Me abrace, me beije e se vá

Embora eu faça birra e pedidos mesquinhos

Você sempre retorna amável com os seus carinhos...

*post enviado por Quimey Aguilar.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

O Desapego

Sempre que se fala em desapego a primeira coisa que nos vem à mente são posses materiais, objetos, somas. Desapegar é igual a desfazer-se de algo que não nos serve mais, ou se nos serve, que cedemos ao outro em sacrifício...
No entanto, mais para além do que sempre pensamos, o desapego é uma ação libertadora. Uma prática que engloba todos os nossos bens, os nossos males e todas as situações em que a vida e nós nos colocamos. Ao deixarmos que algo se vá, seja isso um sentimento, coisa ou pessoa, fazemos uma escolha. Optamos por deixarmos de sofrer, nos abrindo para o novo.
Quando trilhamos um caminho da consciência, existe um momento em que passamos a notar mais claramente tudo o que nos faz mal, nos intoxica, nos entristece e nos prende. A clareza é um presente, e na mesma medida que vemos, corremos o risco de não enxergarmos ali uma oportunidade de dar um passo adiante. Esse pequeno passo pode sim, mudar toda a nossa vida. É como estar num barco que afunda rapidamente e decidir ficar um pouco mais; por temer a temperatura da água, por achar o barco bonito ou por ter medo do que está embaixo das ondas. Sentir a necessidade de deixar que algo ou alguém se vá, é ouvir a voz de dentro, o nosso guia interno, o nosso anjo solar. Lembremos que o desconforto é o primeiro estágio do conforto. Assim como o sofrimento antecede a paz, e o desamor a luz.
Sejamos honestos conosco. Joguemos no nosso time. Vistamos a nossa própria camisa e vamos dizer: "Chega. Eu não quero mais." Sejamos os que escolhem e não os que gastam o tempo a medir vantagens. Vamos deixar ir e assim vamos indo nós mesmos, pétalas aladas, dentes-de-leão girando... Deixando para trás o que nunca foi nosso, aceitando para nós o que a vida nos traz...

Os beijo no amor de Cristo!

Cristiano Aguilar