quarta-feira, 29 de abril de 2009

Cartaz Inti Raymi!

Buenos días, buenas noches, hermanitos!

Com a maravilhosa festa do Sol se aproximando, chegou o momento de escolhermos o cartaz do Inti Raymi 2009.

O primeiro candidato tem cores vibrantes entre o amarelo, laranja e vermelho e mostra um sol poente representado por um girassol -- símbolo de Tayta Inti -- em meio a uma revoada de pássaros dançando sobre o mar. Tudo muito Molina, rs...

Cartaz Girassol

Já o segundo candidato mostra o Sol em outro momento: quando nasce. As cores predominantes são o amarelo e o azul profundo do mar -- que em Fortaleza na verdade é verde! E em direção ao sol nascente se vê uma gaivota alçar vôo, livre e em comunhão com o infinito.

Cartaz Gaivota

Já sei que a escolha está difícil, assim, vamos fazer uma votação! Durante algumas semanas vamos recolher votos aqui ao lado, em forma de enquete. Cada pessoa só poderá votar uma vez, com a vantagem de poder mudar o voto, caso mude de idéia!

E o meu recado pra vocês, em bom cearês:

"Tratem de aprumar logo as trouxas com todos os seus bregueços, que tá chegando a hora de vir bater no Ceará! Não interessa se você mora na baixa da égua, vai ser comédia que tenha Zé!"

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Pachamama

Cena do filme: Zorba, o grego.

Mantra OM

Kusiya Kusiya Pachamama!!!


Hoje é dia de Pachamama, não o dia escolhido por nossos ancestrais, mas é um dia significativo em que podemos chamar a atenção de diversas parcelas da população para os sérios problemas que nossa Mamita está enfrentando...
Estamos felizes que a ONG Pachamama se mobiliza todos os anos com mais afinco e mais amor para criar atividades que despertem a consciência dos dorminhocos em relação aos abusos cometidos de várias formas à nossa casita... a Mamita, a Pachamama!
Nós, seres um pouco mais conscientes, devemos estar atentos e educar todos os dias as pessoas á nossa volta, na separação do lixo, no consumo consciente, no uso da água... Vamos unir nossos corações e começar a pensar em ações cada vez mais maduras em relação ao cuidado com a Terra, nosso amor, nossa Mamita!

O Dia da Terra é comemorado por milhares de organizações, em centenas de países, com o objetivo de conscientizar as comunidades sobre a importância da preservação do Planeta Terra. A data foi criada nos Estados Unidos em 1970, com o primeiro protesto contra a poluição, convocado pelo Senador norte-americano Gaylord Nelson, e passou a ser comemorada por outros países nos anos 90.

Esperamos que, no mundo todo, se organizem atividades como limpeza de praias, palestras sobre aquecimento global, campanhas de reciclagem, concursos, workshops, shows e outros eventos culturais que realmente estejam voltados para essa questão tão séria que estamos vivenciando: o que podemos fazer em relação a questões ambientais que o Planeta enfrenta.
(retirado do blog "faça a sua parte")



Dia Mundial da Terra!
Oração a Pachamama:
Pachamama, Kusiya, Kusiya... te trago presentes Pachamama, laegra-me com tua ajuda, santa Terra!Afugenta os males de nossos irmãos... que tudo que andamos seja para o bem, Mãe Terra! Para que os homens não adoeçam e os filhos se criem sãos e fortes... Pachamama que nosso povo continue unido... para que se vá se uma vez toda pobreza, para que tud que é negativo se vá... Kusiya, Kusiya, Pachamama!

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Desde un joven poeta...

Abriendo las cosas

Abre una herida en la tierra,
no con balastros, sino con semillas.
Abre las entrañas de un hombre,
no con navajas, sino con el deliriode
ser el díscolo menor entre las bestias.
Planta una puerta a la pared para el caído.
Deflaga tu nombre en el ojo céntrico de las masas.
Ábrete al color y al fuego blanco de la paz
en tu conciencia y en tu carne de cera.
Y ciérrate, únicamente, de cerrarte de ti mismo,
si lo que vas a abrir no será más poderoso
que la experticia de un niño
arrancando agua, bosque y diamante
del cemento del mundo.

Javier Alvarado

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Importante: Nosso chat!

Domingo, as 21h, como todos os domingos temos nossa meditação grupal de aguilares enviando muito amor ao ayllu e ao planeta, alguns aguilares me escreveram com algumas dúvidas, por que também temos nossa meditação diária ao entardecer... Entonces, como constumávamos fazer, depois da meditação de domingo alguns aguilares entravam no msn e conversávamos, vamos novamente? Assim nos conhecemos melhor e juntos tiramos essas dúvidas e nos divertimos um pouco... Espero vocês, neste domingo as 21h30 com muito amor...
Comadre Ludmila
msn: ludm.aguilar@hotmail.com
besos e mais besos!!!!!!!

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Estado de Graça por Sarada Devi

Quem já conheceu o estado de graça reconhecerá o que vou dizer. Não me refiro à inspiração, que é uma graça especial que tantas vezes acontece aos que lidam com a arte.
O estado de graça de que falo não é usado para nada. É como se viesse apenas para que se soubesse que realmente se existe. Nesse estado, além da tranqüila felicidade que se irradia de pessoas e coisas, há uma lucidez que só chamo de leve, porque na graça tudo é tão, tão leve. É uam lucidez de quem não adivinha mais: sem esforço, sabe. Apenas isto: sabe. Não perguntem o quê, porque só posso responder do mesmo modo infantil: sem esforço, sabe-se.
E há uma bem-aventurança física que nada se compara. O corpo se transforma num dom. E se sente que é um dom. E se sente que é um dom porque se está experimentando, numa fonte direta, a dádiva indubitável de existir materialmente.
No estado de graça vê-se às vezes a profunda beleza, antes intangível, de outra pessoa. Tudo, aliás, ganha uma espécie de nimbo que não é imaginário: vem do esplendor da irradiação quase matemática das coisas e das pessoas. Passa-se a sentir tudo que existe - pessoa ou coisa - respira uma espécie de finíssimo resplendor de energia. A verdade do mundo é impalpável.
Não é nem de longe o que mal imagino deve ser o estado de graça dos santos. Esse estado jamais conheci e nem sequer consigo imaginá-lo. É apenas o estado de graça de uma pessoa comum que de súbito se torna totalmente real porque é comum e humana e reconhecível.
As pessoas descobertas nesse estado são indizíveis e incomunicáveis. É por isso que, em estado de graça, mantenho-me sentada, quieta, silenciosa. É como uma anunciação. Não sendo porém precedida pelos anjos, que suponho, antecedem o estado de graça dos santos, é como se o anjo da vida viesse me anunciar o mundo.Depois, lentamente, se sai. Não como se estivesse entrado em transe - não há nenhum transe - sai-se devagar, com um suspiro de quem teve o mundo como este é. Também já é um suspiro de saudade. Pois tendo experimentado ganhar um corpo e uma alma e a terra, quer-se mais e mais. Inútil querer: só vem quando quer e espontaneamente.
Não sei por quê, mas acho que os animais entram com mais freqüência na graça de existir do que os humanos. Só que eles não sabem, e os humanos percebem. Os humanos têm obstáculos que não dificultam a vida dos animais, como raciocínio, lógica, compreensão. Enquanto que os animais têm a esplendidez daquilo que é direto e se dirige direto.
Deus sabe o que faz: acho que está certo o estado de graça não nos ser dado freqüentemente. Se fosse, talvez passássemos definitivamente para o outro lado da vida, que também é real mas ninguém nos entendetria jamais. Perderíamos a linguagem em comum....Também é bom que o estado de graça demore pouco. Se durasse muito, bem sei, eu que conheço minhas ambições infantis, eu terminaria tentando entrar nos mistérios da Natureza.
No que eu tentasse, aliás, tenho a certeza de que a graça desapareceria. Pois ela é dádiva e, se nada exige, desvaneceria se passásemos a exigir dela uma resposta. É preciso não esquecer que o estado de graça é apenas uma pequena abertura para uma terra que é uma espécie de calmo paraíso, mas não é a entrada nele, nem dá o direito de se comer dos frutos de seus pomares. Sai-se do estado de graça com o rosto liso, os olhos abertos e pensativos e, embora não se tenha sorrido, é como se o corpo todo viesse de um sorriso suave. E sai-se melhor criatura do que se entrou. Experimentou-se alguma coisa que parece redimir a condição humana, embora ao mesmo tempo fiquem acentuados os estreitos limites dessa condição. E exatamente porque depois da graça a condição humana se revela na sua pobreza implorante, aprende-se a amar mais, a perdoar mais, a esperar mais. Passa-se a ter uma espécie de confiança no sofrimento e em seus caminhos tantas vezes intoleráveis.
Há dias que são tão áridos e desérticos que eu daria anos de minha vida em troca de uns minutos de graça.